@GrupoFlaMais flamais@flamais.com.br (21) 99372-1001 @FlaMais

FLA+   Somando pelo FLA

FLA+ se reúne com vice presidente de futebol, Flávio Godinho

fe277c60-24ae-4d48-a765-51e7c71620feMembros do FLA+ se reuniram com o vice-presidente de futebol, Flávio Godinho.  A reunião, realizada no dia 13 de julho, abordou todos os principais temas da pasta da VP de Futebol do Flamengo.

Pedido um breve resumo sobre como estava a pasta quando assumiu e quais mudanças implementou, o vice presidente afirmou ter mantido a gestão profissional do futebol e informou  que  uma  de  suas  primeiras  medidas  foi  pôr  fim  ao “Conselho Gestor do Futebol”. Ele entendia que todas as decisões deveriam ser tomadas por ele e pelo diretor contratado e que ele não precisa de um conselho predefinido para debater sua pasta, pois, entende por debate, algo mais amplo com todos que desejarem contribuir.

 

 

  • Planejamento

Questionado sobre quem é o responsável pelo planejamento, foi categórico ao dizer que ele e o diretor Rodrigo Caetano são os corresponsáveis pelo planejamento, dividindo tarefas em sua execução, sendo de Rodrigo, a responsabilidade de avaliar o elenco para o planejamento da pré-temporada.

Se considera ter havido falhas no planejamento 2016, em especial quanto a  falta  de zagueiros  no  início  da  temporada,  disse  que  concorda  que  houve falha  mas  justificou  dizendo  que se tratou de uma opção do treinador da época que preferiu reforçar outras posições e havia recusado os zagueiros que lhe foram disponibilizados. Ressaltou que, assim que houve a mudança do treinador, os dois zagueiros apresentados ao antecessor foram contratados.

Sobre o planejamento 2017, disse que está focado no planejamento de 2016/2 e  que  se  o  time  encaixar  no  segundo  semestre, o planejamento  2017  será muito facilitado.  Sobre enxugar elenco para novas contratações, disse que não faz parte dos planos.

Quanto ao planejamento sobre estádios para 2016 x Olimpíadas, disse que já entrou na pasta com o assunto avançado, que havia um excelente projeto de expansão do estádio da Portuguesa na Ilha pelo valor de R$25MM com  créditos  de  ICMS,  contudo  o  poder  público  deu  para  trás  e  o  Flamengo decidiu  não  investir  recursos  próprios  nem  realizar  uma  reforma  mais  barata  como  outro  clube  fez com estruturas provisórias.

No entender dele, poderiam ter buscado uma solução intermediária, mas já não era mais possível quando interviu.  A respeito da pré-temporada fora do Brasil, entende que esse período deve prioritariamente servir para preparar o elenco e ele prefere uma imersão com foco total em treinamento. Se sobrar tempo ou a viagem não atrapalhar a preparação, ele não se opõe.

Quanto a criação de um “padrão Flamengo”, imutável e que independa dos caprichos do treinador, afirmou  que  isso  já  ocorre  no  quesito  operacional  (equipe  fixa  pertencente  ao  Flamengo  e que não varia conforme mudança de técnico),  mas,  quanto  ao  esquema  (ofensivo,  jogar  para  a  frente  sempre) isso deve ser flexibilizado conforme o plantel.

  • Contratações

Sobre as muitas contratações da atual gestão e dos vultosos gastos com jogadores  que  são  banco (R$20MM  em  Mancuellho  e  Cuelar),  disse  que  quem  escala é o treinador  e  que  um  elenco  bem montado não tem apenas 11 jogadores e que sim, faltou dinheiro para contratações mais ousadas.

Questionado sobre o critério para a contratação de Fernandinho mesmo tendo inúmeros jogadores na posição, afirmou que foi opção do treinador da época que queria um jogador com as mesmas características do Sheik, que sabia que não  tinha  idade  para  estar  sempre  em  campo  mas  para  o  esquema  funcionar precisaria de um substituto que “incendiasse” o jogo e ditasse o ritmo da partida.

Sobre o orçamento 2016 estar estourado para novas contratações, afirmou  que  já  há  em  vista  uma reunião com o conselho para ajustar essa questão.

  • Equipe Profissional

Indagado do motivo do Flamengo ser TOP 5  da  Adidas  no  papel  mas  não  em  venda  de  camisas,  não  soube responder. Ligou para um profissional  do  Marketing  que  informou  que  em  número  de  venda  de camisas somos iguais aos demais TOP5, contudo, na  conversão de moeda, financeiramente estamos muito atrás pela desvantagem do Real.

Colocou-se disponível para dar mais explicações e dados e pediu para ser cobrado por e-mail para passar essas informações.

Explicou o organograma do futebol e as funções de cada envolvido:

Fred Luz – CEO do Flamengo envolvido direta ou indiretamente em todos os assuntos.

Flavio Godinho – Vice-presidente responsável pela pasta que cuida do Planejamento e ajuda na execução.

Rodrigo Caetano – Diretor profissional que ajuda no planejamento e cuida da execução.

Fernando Gonçalves – Contratado para um trabalho pontual de montagem do centro de excelência, mas auxilia no trabalho psicológico dos atletas.

Mozer – Deveria ser apenas um comandante fora de campo para os atletas, mas se mostrou muito mais capaz. Hoje é um braço do treinador, do diretor e exerce inúmeras outras funções como ajudar na preleção, etc.

Noval – É o Rodrigo Caetano da Base.

Sobre a falta de preparo da equipe, especificamente a visível diferença de desempenho de Sheik e Guerreiro que chegaram com um ritmo e depois  amoleceram, afirmou que não existe deficiência na preparação física do Flamengo. Disse também que o Centro de Excelência é fantástico e que, se o desempenho dos jogadores caiu foi por uma questão técnica e não física.

Indagado sobre o porquê do Departamento Médico do Flamengo ser a “segunda casa” dos atletas, disse que isso não procede, que desde que assumiu, não há mais aquela sucessão de lesões e que isso é fruto do bom trabalho do Dr. Tanuere.

Sobre a possibilidade de mudar o padrão dos contratos  dos  atletas para  mais  prêmios  e  menos  fixo, afirmou que isso só funciona com treinador e que jogador nenhum aceita negociar dessa forma.

Sobre a postura dos atletas e manual de conduta, disse que existe o manual, mas que não foi fator determinante para a melhora da postura dos atletas. A mudança se deu, em grande parte, pela capacidade do Muricy de ganhar o respeito dos atletas que viram a necessidade de mudar a postura.

A respeito da folga de quatro dias concedida após a goleada sofrida para o  Corinthians, disse  que esse já era o planejamento e que o resultado do jogo não pode definir uma mudança do planejamento.

Questionado sobre a efetivação do treinador Zé Ricardo, disse que já é efetivo, mas não iria anunciar a efetivação para não pressioná-lo e que iria aguardar. Cabe esclarecer que, menos de 24 horas após esta afirmativa, foi divulgada para a imprensa a efetivação do treinador.

  • Divisão de Base

Perguntado sobre a transição da base para o profissional, afirmou que Noval é o responsável por isso. Ao ser informado que um jogador irá subir, ele intensifica e modifica o padrão de treinamento do atleta para adaptá-lo com a nova rotina. Hoje, no elenco profissional existem 8 atletas da base adaptados e preparados para exercer a função.

Sobre a situação do futsal, informou que hoje ele se encontra subordinado à  base  do  futebol do Flamengo sob a supervisão do Noval e que o foco são os garotos entre 11 e 13 anos para levar para o campo.

Sobre a perda de talentos para o Fluminense que “rouba” atletas com salário mínimo e os vende depois por milhões, disse que vai estudar como fazer e pediu uma relação de nomes, além dos citados, para analisar caso a caso.

  • Estádio para 2016

Disse que deveríamos aguardar para ver como se comportaria a arena da ilha, mas deu como possível solução o estádio de Edson Passos em parceria com o clube de laranjeiras.

Share

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *